4 de jul de 2007

Caos

Dias que não existem são esses os que eu vivo
Pesadelos me acompanham enquanto durmo
Espero que aconteça alguma coisa de errado
Pra levar vantagem em tudo e por acaso
E é por isso que as coisas continuam dando errado
Sigo caminhando, as vezes olho para o lado e para trás
E nestas horas que eu perceo que caminho para o caos
Deixo muitos no meio do caminho pois meu fardo é pesado demais
Guardo, com muito rancor a maldade que me fazem
Pra me vingar espero minha oportunidade
Me disseram certa vez: - O ódio é sua maior virtude
Eu prefiro não acreditar nisso nem em outras atitudes minhas
Escolho o futuro das pessoas que me cercam
Exijo que suas atitudes sejam do jeito que eu quero
Quem fez ou faz o mal um dia vai pagar muito caro
Ninguem presta até que cada um me prove ao contrário
Conto mentiras, nunca nocivas, sou bom pra quem é bom pra mim
Mas a beleza externa das pessoas engana, eu já percebi
O meu interesse pessoal está sempre acima das pessoas
O meu conceito de bem comum só aceita as que eu julgo como boas
E como se não bastasse tudo isso
Ainda faço aquilo que considero errado
Sou réu confesso que defende sua causa
Sou o falso guardião de sua vida e sua casa
Dinheiro sujo compra ética a preço de custo
Em Brasília estão algumas piores pessoas do mundo
Os exemplos de sinceridade são um verdadeiro teatro
O mundo está perdido e eu sou cúmplice dessa droga toda
Onde estás oh força de vontade?
Onde estás oh cura da enfermidade?
Onde estás, se fores máquina de força motriz?
Obrigado por ter misericórdia de mim e por me dizer:
- Um dia ainda podes ser feliz!!!

Nenhum comentário: