16 de mai de 2014

3ª Crônica Fotográfica: MOTIVAÇÃO NO MUNDO CORPORATIVO – por Prof. Wendell Léo Castellano


Não sou Max Gehringer, mas vamos tentar...
3ª Crônica Fotográfica: MOTIVAÇÃO NO MUNDO CORPORATIVO – por Prof. Wendell Léo Castellano

Costumo ilustrar a Teoria X e Y do Mc Gregor em sala-de-aula, contando uma história que presenciei em uma das várias consultorias que já fiz no passado...
Para quem não sabe, McGregor define como X pessoas que precisam ser ¨empurradas¨, pessoas desmotivadas para o trabalho. Pessoas Y seriam opostas, altamente motivadas, surpreendentes! Mas McGregor explica que nós todos temos nossos dias de X ou de Y. São dois lados da mesma moeda!
Em uma consultoria que fiz em 2002, presenciei uma situação intrigante. Um supervisor de vendas, recém-contratado com apenas dois meses teve um problemão pessoal. Ele sofreu um grave acidente de trânsito no final de semana, quase morrendo por isso. Fico em coma 1 mês, teve que passar por 8 cirurgias, quase ficou paraplégico.
Seu plano de saúde ainda estava no período de carência, e não cobria todos os gastos com hospital. O que a empresa fez?
Poderia tê-lo demitido, mas não! A empresa cobriu todas as despesas com hospitais e medicamentos. Colocou em seu lugar outro supervisor, mas avisou-o de que quando o hospitalizado se restabelecesse, seria removido para outra região, já que aquela região pertencia ao hospitalizado.
Durante o período de atuação do substituto, todos os prêmios em vendas que foram pagos ao mesmo também foram pagos ao hospitalizado. Até os dois filhos do hospitalizado eram levados para a escola por motorista particular da empresa, tarefa essa que o pai executava antes do acidente.
Quando chegou ao final do ano, o hospitalizado também recebeu as participações nos lucros, e todos os benefícios como se nada tivesse acontecido. Toda família teve todo o suporte enquanto o funcionário se restabelecia de um problema pessoal. Em nenhum momento tiraram dele o seu trabalho.
O ¨cara¨saiu do hospital 6 meses depois do acidente, e teve que fazer fisioterapia por mais três. Tudo subsidiado pela empresa.
E então, o funcionário voltou às suas atribuições, em sua região de origem... E hoje, em 2013, ele é simplesmente o vice-presidente desta empresa. O braço direito dos acionistas, e certamente, o futuro presidente.
Quanto dias nos últimos 11 anos esse funcionários não esteve X? Quantos problemas pessoais, familiares ou de saúde esse cara não teve em 11 anos? E sabem quantas vezes ele chegou ao estado X na empresa depois desse fatídico final de semana? – NENHUM!
Não houve nenhum dia destes últimos 11 anos que ele não chegou empolgado, motivado, pontual, realizando além do que o trabalho exigia... e em nenhum dia ele deixou de contar essa história de apoio da empresa por ele! Ao encontrá-lo recentemente, tive que escutar toda a história de novo. Tornou-se ETERNAMENTE Y! Eternamente GRATO!
Claro que a empresa não pode parar... Claro que os clientes não podem esperar. Mas, no entanto, pela empresa perceber que era um funcionário que poderia valer a pena, não o abandonou em nenhum momento. Cuidou dele sem ter a obrigação disto, mal conhecendo-o, e fez muito além do que uma empresa normal faria. Valorizou o que chamamos em administração de ¨fator humano¨.
Fator humano que encontrou nesta empresa um ¨lar¨. Que encontrou nos colegas de trabalho verdadeiros parceiros. E que encontrou em seus chefes verdadeiros amigos. E é disso que as organizações são feitas no fundo... de ¨fatores humanos¨!!!
Se Mc Gregor nunca explicou no livro intitulado ¨O Lado Humano da Empresa¨, como transformar alguém de X em Y eternamente, tá aí a explicação...
Valorizar o fator humano faz as empresas terem pessoas Y, e líderes terem centenas de braços... direitos!

Wendell Léo Castellano (27/dezembro/2013)

Nenhum comentário: