8 de jun de 2013

Obediência ou Rebeldia?

OBEDIÊNCIA OU REBELDIA?
Toda empresa tem aquele grupinho de funcionários contestadores e meio revolucionários. Eles parecem nunca estar satisfeitos com nada, vivem criticando decisões que a diretoria toma, gostariam que não houvesse tanta burocracia, e principalmente, querem ter liberdade para pensar.
De modo geral, as empresas rotulam pessoas assim com palavras pouco elogiosas: desestabilizadores do ambiente de trabalho ou, simplesmente, terroristas.
No início de minha carreira, tinha mais ou menos esse perfil. Aos 18 anos, trabalhava em uma fábrica e, certo dia, a direção decretou que todo mundo teria de passar a usar jalecos de cor cinza.
A hierarquia seria diferenciada pela cor da gola dos jalecos. Chefes tinham gola azul, supervisores gola verde, e assim por diante, até os mais humildes, que teriam gola cor de abóbora. Bastou uma semana para que a nova moda virasse um festival de vaidades e os mais humildes fossem apelidados de ¨abobrinhas¨.
Como representante da classe dos ¨abobrinhas¨, pendurei no quadro de avisos da fábrica em papel com a seguinte frase: ¨Se a cor do colarinho fosse sinal de prestígio, o palhaço seria dono do circo¨. Tomei a minha primeira advertência por escrito, que está guardada com carinho até hoje.
Muitos anos depois, aquela empresa fez uma festa para comemorar seus 50 anos de existência e vários ex-funcionários foram convidados, inclusive eu. Para minha surpresa, recebi uma homenagem. Fiquei ainda mais surpreso quando descobri que outras pessoas que estavam sendo homenageadas eram exatamente aquelas que a empresa não via com bons olhos em tempos passados. Os terroristas que estavam sempre ameaçados de ir para a rua se não se comportassem. Agora, essa gente era classificada como criativa e inovadora.
Então, se alguém aí está na marca do penalty porque vive dizendo o que pensa dentro da empresa, tudo é uma simples questão de escolha: estabilidade hoje ou felicidade amanhã. Porque o presente só premia os obedientes. Mas o futuro será sempre grato aos rebeldes.

OBRIGADO, Max Gehringer!!!
Moral da história: Exponha o que pensa, indigne-se, revolte-se quando o mundo te ataca. Porém, com superioridade e humildade dê a volta por cima sempre e seja sempre inovador!

Nenhum comentário: